Informação sobre leishmaniose, causas, sintomas e tratamento da leishmaniose, identificando os diversos tipos, como leishmaniose visceral e outras


Tipos de leishmaniose

A leishmaniose no homem pode ser dividida em duas categorias, nomeadamente a leishmaniose tegumentar americana e a leishmaniose visceral.

A leishmaniose tegumentar americana possui as seguintes variedades:
  • Leishmaniose cutânea, caracterizada por lesões localizadas na pele que podem curar espontaneamente ou evoluir para lesões crônicas com cicatrizes desfigurantes;
  • Leishmaniose muco-cutânea, caracterizada por lesões ulcerativas e destrutivas das mucosas;
  • Leishmaniose cutânea difusa, caracterizada por lesões nodulares não ulcerativas e disseminadas.
A forma visceral da doença é a mais grave:
  • É crônica, progressiva e afeta vários órgãos, incluindo o baço, o fígado, a medula óssea, os linfonodos e a pele.
A leishmaniose visceral, a forma mais agressiva da doença, acomete principalmente crianças do sexo masculino com idade inferior há 4 anos, além de crianças desnutridas, idosos e portadores de doenças debilitantes do sistema imunológico, podendo levá-los a morte. Zonas rurais, favelas e regiões carentes de saneamento básico são as áreas mais propícias para a contaminação da leishmaniose.


A leishmaniose

A leishmaniose é uma doença tropical causada por um parasita chamado de Leishmania donovanii. Os flebotomíneos da família Phlebotomus espalham esses parasitas através de suas mordidas. As diferentes formas de leishmaniose humana incluem como escrevemos as variedades cutânea, mucosa e visceral. O parasita afeta a pele, as mucosas e as células do sistema imunológico, como os macrófagos em todo o corpo, resultando em danos graves e até a morte.
Cerca de 0,7 a 1,2 milhões de casos de leishmaniose cutânea e 0,2 a 0,4 milhões de casos de leishmaniose visceral, ocorrem todos os anos. Ela ocorre em manchas por todo o mundo, exceto na Austrália e Antártida. É também mais rara na região a norte do México.

Existem cerca de 20 espécies de Leishmania, distribuídas por cerca de 30 espécies de flebotomíneos. Cada mosca transmite um parasita específico. Estas moscas são mais ativas no crepúsculo e ao amanhecer, que é, portanto, o período mais provável à transmissão. Da leihmaniose


ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL